a

Tecnologia que interessa!

Tecnologia da informação aplicada - por Christian Guerreiro.

Notícias e novidades em Tecnologia da Informação, Dicas de Apps para Android e iPhone, Big Data, Computação em Nuvem, Governança de TI, ITIL, COBIT, Segurança, Software Livre, Virtualização

Página do Tecnologia que Interessa no Facebook! Twitter do Tecnologia que Interessa! Perfil Google+ de Christian Guerreiro - Tecnologia que Interessa!

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Transforme a nova guia do Chrome numa ferramenta de produtividade, beleza e inspiração!

Transforme a nova guia do Chrome numa ferramenta de produtividade, beleza e inspiração!
Que tal ter uma imagem inspiradora como essa sempre que abrir uma nova guia ?
Sempre me preocupei muito com produtividade, afinal com a infinidade de iniciativas com as quais me envolvo no serviço público, na universidade e nas minhas experiências empreendedoras, é fundamental gerenciar tarefas, tempo e energia.

Nos últimos dias andei pesquisando sobre extensões para tornar a nova guia do Chrome e Firefox em algo mais interessante e produtivo.

Após pesquisar bastante (vide referências ao final) e testar algumas opções, concluí que a melhor opção para meus objetivos era a extensão Momentum.

Escolhi esta extensão porque ela alia beleza, inspiração e produtividade num mesmo pacote.

Ao abrir uma nova guia, você é brindado com uma bela imagem de algum lugar do mundo, o que pra mim é muito motivador, afinal gosto muito de viajar. Clicando no nome do local (canto inferior esquerdo) você é levado à fonte da imagem, o que provavelmente levará a mais informações sobre o local.

Além disso, a extensão permite cadastrar uma lista de links para acesso rápido, o que também é muito útil pra que tenha sempre à mão os sites que uso frequentemente, sem contar que não preciso mais manter guias abertas com estes sites, como costumava fazer.

Há também a lista de tarefas (o texto "Todo" no canto inferior direito da tela ficou ruim de visualizar), basta clicar e adicionar as tarefas, sendo possível mantê-las sempre visíveis se desejar.

Ao abrir a extensão pela primeira vez no dia você deve informar o foco para aquele dia, e isso pra mim também é muito útil, pois garante que não vou esquecer de anotar a tarefa mais importante, algo altamente recomendado por várias técnicas para aumento de produtividade.

Por fim, destaco a frase inspiracional no rodapé, que pode servir também de motivação pra aprimorar o inglês, afinal os leitores do blog sabem o quanto considero isso importante, tanto que já tratei disso em vários textos.

Bônus

Outro problema comum com o gerenciamento de guias é quando o navegador trava ou fecha com várias guias abertas. Eu ficava muito irritado com isso, pois tenho sempre muitas guias ativas e quando o navegador trava ou fecho sem querer, muitas vezes não conseguia restaurar todas as abas.

Usei por um tempo como paliativo a opção de fixar a guia, pois assim o navegador sabe que deve manter aberta aquela página, mesmo que feche o navegador, ao abrir novamente as guias são ativadas também. Mas isso não resolvia plenamente a questão.

Nas pesquisas recentes descobri a extensão TabCloud, que permite salvar na sua conta Google a lista de guias ativas, e reabrir novamente quando e onde quiser. O onde é um diferencial, pois às vezes queremos abrir em casa uma mesma guia que esteja ativa no trabalho, por exemplo. Agora eu posso!

Conclusão

Com o navegador sendo o aplicativo mais usado por grande parte das pessoas, seja para trabalho ou lazer, escolher os melhores "acessórios" pra complementar sua experiência de acesso à Internet se torna algo muito importante.

Fico muito mais tranquilo sabendo que o controle da minha produtividade está a um mero CTRL+T de distância :)

Quem quiser pesquisar mais opções de extensões para gerenciamento de guias e produtividade, recomendo que confira os links a seguir. Tem muita coisa bacana! Tanto que quase mudei de idéia sobre a extensão recomendada neste texto :)

Referências

Firefox:
http://lifehacker.com/the-best-apps-and-extensions-to-supercharge-firefoxs-n-995238717

Chrome:
http://www.minterest.org/google-chrome-new-tab-extensions/
http://www.makeuseof.com/tag/10-most-productive-new-tab-extensions-for-google-chrome/
http://thenextweb.com/apps/2014/11/16/8-chrome-extensions-transform-new-tab-page/
http://lifehacker.com/the-best-apps-and-extensions-to-supercharge-chromes-ne-982659508

Chrome e Firefox:
http://www.hongkiat.com/blog/new-tab-browser-addons/

E você, que extensões usa e recomenda no seu navegador preferido ? Comenta aí!
Mais...

terça-feira, 7 de abril de 2015

Estudo revela: pare de se preocupar tanto com o tipo de jogo que as crianças preferem!

Games - o tipo de jogo que as crianças preferem pouco importa!


Estudo indica que jogos violentos não estimulam comportamento desse
tipo nas crianças
 
Estudo realizado pela Universidade de Oxford, nos EUA, chefiado pelo doutor Andy Przybylski, mostra que jogos com violência não são responsáveis por estimular esse tipo de comportamento nas crianças.
Ainda segundo dados coletados no acompanhamento da rotina de cerca de 200 crianças inglesas, aquelas que passaram mais de três horas jogando demonstraram mais tendência à hiperatividade, envolvimento em brigas e falta de interesse na escola. 
Além disso, a pesquisa revelou que as crianças que gostam de jogos de estratégia e quebra-cabeças não conseguem notas melhores do que outros estudantes. 
Os jogadores de títulos com elementos cooperativos ou competitivos demonstraram ter menos problemas emocionais eu desavenças com os colegas. 
Já as crianças que escolheram jogos single player ficaram mais focadas nas aulas e menos propensas a se envolver em conflitos físicos. 
De acordo com Przybylski, a influência dos jogos no comportamento infantil é mínima quando comparada a outros fatores na vida das crianças. 
Mais informações:
http://bit.ly/1yHY66j

Conclusão

Apesar de o tipo de jogo preferido apresentar alguma influência no comportamento das crianças, penso que está ficando cada vez mais claro que esta influência é mínima.

Portanto, está mais do que na hora dos pais e responsáveis se preocuparem mais com a educação formal e doméstica que dão a suas crianças do que com o tipo de jogo que eles preferem.

Isto não significa simplesmente ignorar o tipo de jogo que a criança prefere, mas dar a isso a devida importância, sem exageros.

E você, concorda que há muito exagero e polêmica em torno da influência dos jogos no comportamento das crianças ? Fala aí!
Mais...

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Metanautix Personal Quest: Big Data para Pequenas e Médias Empresas ?

Metanautix Personal Quest: Big Data para Pequenas e Médias Empresas

A Metanautix lançou um produto interessante para o mercado SMB, e que deve ser atraente para quem deseja iniciar no mundo Big Data com uma solução simples e ao mesmo tempo versátil, já que o Personal Quest pode ser considerado uma suite de produtos do ecossistema Big Data.

Vejamos suas principais características:
  1. Integração entre Teradata, MongoDB, HDFS, MySQL e Amazon S3;
  2. Suporte a ANSI SQL;
  3. Ferramenta de visualização Tableau incluída;
  4. Mais de 9 funções para manipulação de dados;
  5. Possibilidade de estender funcionalidades usando Python;
  6. Licença trial de 45 dias, renovável "eternamente".
Eu já baixei, e você ?

Conclusão

Entendo que este tipo de oferta é interessante, e deve ser estimulado.

Embora os requisitos sejam exigentes (4 processadores e 16 GB de RAM pra começar), não deixa de ser um grande avanço no sentido de simplificar e democratizar o acesso a soluções para Big Data, muitas vezes, apesar de serem software livre, rodeadas de uma "aura" de complexidade que pode afastar iniciantes.

A idéia de uma suite que integra (ainda que com limitações) ETL, Análise e Visualização de Dados, de maneira acessível a pequenas e médias empresas me parece um ótimo começo para tornar as tecnologias para Big Data mais próximas do cotidiano das empresas.

E você, concorda que precisamos de mais iniciativas como a da Metanautix ? Fala aí!

Agora você tem uma importante decisão a tomar.

Aprender mais sobre Big Data e se diferenciar no mercado, ou simplesmente fechar esta janela e desperdiçar a oportunidade de crescimento profissional. 

A escolha é sua!

Mais...

sábado, 4 de abril de 2015

SpyAware - saiba o que seus apps andam fazendo quando você não está olhando!

SpyAware - saiba o que seus apps andam fazendo quando você não está olhando!
Que tal saber o quanto suas apps usaram de dados enquanto você não estava usando o smartphone ? Se enviaram sua localização ? Se estão coletando seus dados enquanto você não está atento ?

Na verdade, há alguns apps que permitem monitorar outros apps e obter informações importantes sobre o comportamento dos apps instalados no seu smartphone para aumentar sua segurança.

O problema é que a maioria das apps pra isso exigem permissões que a Google não libera facilmente, sendo necessário rootear o smartphone para utilizá-las, o que não é um processo simples pra muita gente, embora haja bastante esforço sendo feito para simplificar o processo para quem desejar mais controle sobre seu dispositivo.

De todo modo, a grande sacada do SpyAware Mobile Security é justamente adotar uma abordagem menos intrusiva, para que a app tivesse apelo para qualquer usuário. A idéia é ser a app que qualquer um que desejar saber mais sobre o comportamento das apps instaladas em seu smartphone possa usar.

Para isso foi necessário abrir mão de muitas permissões, embora a app ainda seja bastante "intrusiva", afinal pra bisbilhotar outras apps é necessário ter acesso a muita coisa. Mas é por uma boa causa. Em tese, pelo menos, já que a app não tem o código aberto, o que pode despertar preocupações dos usuários mais paranóicos. De todo modo, a empresa informa que deve fornecer uma opção para exportar seus dados em breve.

Em resumo, se você procurava um meio pra vasculhar as apps do seu smartphone e analisar o que elas andam fazendo pelas suas costas, sem precisar rootear o smartphone, teste a app.

A versão gratuita fornece um score de risco para seu smartphone baseado em informações sobre o comportamento das apps, indicando o uso de dados quando você estava "fora" e as apps ativas.

Por 3 doletas você adquire a versão completa, e aí a app te dá informações sobre o risco individual de cada app, fazendo uma análise das permissões mais perigosas, como tirar fotos e gravar áudio, além de informar o volume de dados coletado por cada app, frequência de coleta de localização, e pra onde os dados são enviados. E informa também se a app vem de fábrica, o que significa que você não deu permissão a ela explicitamente e provavelmente nem tenha conhecimento do que ela pode fazer.

Conclusão

Acho que este tipo de app deve ser incentivado, pra aumentar a conscientização das pessoas em relação à segurança, e quem sabe até criar algum tipo de pressão nas lojas de apps pra reforçar os critérios para aprovação de apps.

Numa época em que postar fotos pelado através de apps de mensagem já virou banal, qualquer iniciativa de conscientização deve ser valorizada.

E você, concorda comigo ? Fala aí!

UPDATE!
O app não está disponível no Brasil, ao que tudo indica, infelizmente. Tentei instalar de várias formas, sem sucesso :(
Mais...

segunda-feira, 30 de março de 2015

A curiosa história por trás do nome das grandes empresas de TI do mundo!

A curiosa história por trás do nome das grandes empresas de TI do mundo!

Li há um tempinho sobre a história do nome de algumas das maiores empresas de TI do mundo, e achei as histórias tão legais que resolvi compartilhar com vocês.

Samsung

A palavra Samsung em coreano significa "três estrelas" e foi escolhida para representar as virtudes de ser "grande, numeroso e poderoso" (como estrelas à noite no céu, supostamente).

Os primeiros produtos da Samsung incluíam peixe seco, legumes, macarrão e frutas, embora, obviamente, a empresa tenha diversificado em uma ampla gama de diferentes indústrias.

Hoje é mais conhecida por smartphones e outros produtos eletrônicos de consumo, mas ao longo dos anos a Samsung entrou no ramo aeroespacial, de seguros e indústria financeira, entre outros.

Foi somente em 1987, com a morte do fundador Lee Byung-Chull da Samsung, que o novo CEO (o filho de Byung-Chull, Kun-Hee Lee) apostou em se tornar um dos top 5 fabricantes de eletrônicos.

Nokia

Apesar de ter "saído" do mercado de smartphones recentemente, a Nokia não começou no negócio de eletrônicos.

Em 1865, sua primeira operação foi uma fábrica de celulose no Tammerkoski Rapids na Finlândia. Em 1868, em busca de um melhor fluxo de água, a empresa abriu um outro moinho a poucos quilômetros de distância da cidade de Nokia, nas margens do rio Nokianvirta, que é o que inspirou o nome Nokia em 1871.

Em 1967, assumiu o nome formal Nokia Corporation e era composta por cinco negócios: borracha, cabos, engenharia florestal, eletrônicos e geração de energia. Hoje, após sua venda para a Microsoft, restam três áreas de negócio: Nokia Networks, HERE e Nokia Technologies.

Apple

Steve Jobs uma vez explicou que, quando no início, a empresa teve que preencher "uma declaração de nome de empresa fictícia" para fins oficiais.

As sugestões incluíam nomes como Matrix Electronics, mas a Apple Computer foi finalmente definido, com a condição de que ele se tornaria o nome da empresa, se ninguém mais tivesse alguma sugestão melhor antes do prazo de formalização.

Então, por que Apple? Nas palavras de Jobs: "Parcialmente porque eu gosto muito de maçãs e parcialmente porque a Apple está à frente da Atari na lista telefônica e eu costumava trabalhar na Atari".

Em 2007, o 'Computer' saiu do nome para deixar apenas Apple.

Atari

Já que citamos a empresa, cabe registrar que seu nome vem de um verbo japonês que significa atingir o alvo, o que torna o nome bem adequado ao propósito da empresa, não acha ?

LG

Como muitas outras empresas, a LG Eletrônica não começou a vida com o nome que tem hoje. Em vez disso, em 1958, a Goldstar foi fundada após a Guerra da Coréia, com a missão de construir dispositivos eletrônicos.

Uma "empresa-irmã" da Goldstar se chamava Lak-Hui (pronuncia-se "Lucky"), e, assim, nasceu a 'Lucky Goldstar'.

Obviamente, o nome LG que conhecemos hoje é uma contração, que também serve ao slogan "Life's Good". Em 1995, a Goldstar adotou oficialmente a marca LG e logotipo.

Agora, a empresa se diz apenas LG, sem mencionar o nome antigo ou o slogan.

HTC

A maioria das pessoas vai dizer que a HTC significa High-Tech Computer, o que foi verdade por algum tempo, mas há outra razão por trás do nome.

Em 1997, quando a empresa foi fundada por H.T. Cho (atual chairman) e Cher Wang (atual chairwoman), os dois decidiram usar suas próprias iniciais para formar um nome - e, assim, nasceu a HTC.

Embora se reconheça que a empresa poderia ter o mesmo nome caso se baseasse apenas no nome do H.T. Cho, informalmente, um executivo se referiu a Wang como 'o C em HTC' enquanto conversava com o editor do TNW.

Spotify

Originalmente iniciado na Suécia, a palavra Spotify na verdade não significa nada em sueco.

Em vez disso, os fundadores da empresa Daniel Ek e Martin Lorentzon estavam sentados um dia tentando pensar em um nome quando uma das sugestões foi ouvida mal como "Spotify", que, em seguida, de alguma maneira 'pegou'.

Quando a dupla percebeu que não havia resultados do Google para a palavra e que os domínios estavam disponíveis para registrar, agiram rápido, e o resto é história.

Como a empresa cresceu e ganhou popularidade, uma "pós construção" foi providenciada para dar uma melhor história de como chegaram ao nome Spotify. "Estávamos um pouco envergonhados de admitir que o nome surgiu por acaso, então resolvemos dizer que Spotify decorre de SPOT e IDENTIFY", escreveu Ek.

Sony

As raízes da Sony são outra história interessante que mistura latim e, surpreententemente, uma gíria do inglês. Mais especificamente, é uma junção de 'Sonus', ou seja, som em latim, e 'Sonny', ou seja, um jovem bem sucedido.

No entanto, este não era o nome original. A empresa foi fundada em 1946 sob o nome de Tokyo Tsushin Kogyo KK (Tokyo Telecommunications Engineering Corporation), ou simplesmente Totsuko. Nesta época, sua missão era simplesmente pesquisar.

Em 1947 ele lançou seu primeiro produto, o "Power Megaphone" e em 1950 lançou seu primeiro gravador de fita - o "Type G '. Presumivelmente, houve pelo menos seis tentativas fracassadas antes disso. (o G, na verdade, seria um apelido para "governo" - um resultado do uso do gravador em tribunais e outras funções oficiais).

A mudança de nome veio na década de 1950, quando a empresa passou a ter ambições globais, e a marca TTK pertencia a outra empresa. Ao combinar Sonus e Sonny para chegar a Sony, a empresa tinha um nome apropriado, sem uma marca existente.

Apesar da decisão tomada para usar o logotipo da Sony em produtos desde 1955, isso não ocorreu até 1958, quando a empresa se tornou Sony Corporation.

Nintendo

O caso da Nintendo é mais complicado, por isso talvez nunca saibamos o verdadeiro significado.

Ainda assim, é amplamente citado e aceito que a Nintendo vem da tradução literal do significado japonês para "deixe a sorte ao destino".

Mas, em The History of Nintendo (1889-1980) - From Playing Cards to Game & Watch, de Florent Gorges, sugere-se que essa interpretação pode estar incorreta. Em vez disso, o nome pode estar relacionado com as raízes da empresa como um fabricante de jogo de cartas "Hanafuda" no final do século 19 - 1889, para ser exato. Hanafuda se traduz literalmente como "cartões de flores".

De acordo com o livro, a empresa estava pesquisando para introduzir uma nova linha de cartões mais baratos e escolheu o nome "Tengu" (folclore japonês mitológico muitas vezes representado com um grande nariz). A palavra para "nariz" (hana) é a mesma para "flor" (hana) quando transliterada para o inglês.

Confuso, hein ? Enfim...

A História da Nintendo, portanto, diz que a Nintendo poderia, assim, significar "o templo de hanafuda livre", com os visitantes de Osaka e Kyoto esfregando os narizes para sinalizar o interesse por jogos de azar.

Em um resumo interessante da questão, Kotaku disse que mesmo Hiroshi Yamauchi, o bisneto do fundador da empresa, não sabe a verdade por trás do nome, mas que a idéia de 'deixar a fortuna nas mãos do destino' seria uma "explicação plausível".

Em 1933, foi formalmente estabelecida como Yamauchi Nintendo & Co. e em 1951 tornou-se Nintendo Playing Card Co., antes de finalmente se decidir por Nintendo Co., Ltd. em 1963 - o mesmo ano em que começou a fazer jogos além de cartas de baralho.

Amazon

A Amazon quase se chamou Cadabra, como em 'abracadabra'... como na exclamação do ilusionista. Jeff Bezos queria que seu site de venda de livros no varejo fosse tão rápido e fácil que parecesse mágica.

De fato, em 1994, este é exatamente o nome Jeff Bezos incorpora à empresa, mas o site entrou em operação em 1995, com o nome de Amazon, tirado do rio Amazonas por ser o maior. Claramente, Bezos tinha grandes ambições desde o início.

A razão para a mudança de nome surgiu a partir de um medo muito legítimo que as pessoas pudessem ouvir mal cadabra.com como cadaver.com, de acordo com o livro Jeff Bezos: The Founder of Amazon.com, de Ann Byers.

Curiosamente, outro livro sugere que Relentless.com também foi outra sugestão apresentada, mas que pareceu um pouco suspeito. Uma pesquisa rápida revela o domínio ainda está associado a Amazon e ainda redireciona para a página inicial da Amazon.

Google

Esta história é bem conhecida: a Google tomou o nome de um erro de ortografia ao escrever Googol, a palavra que representa 10^100, ou 1 seguido de 100 zeros. Por que isso? Simplesmente porque os fundadores Sergey Brin e Larry Page queriam transmitir a enorme quantidade de dados que pretendiam disponibilizar.

A empresa registrou o domínio do Google em setembro de 1997 e incorporou à empresa um ano depois, em Setembro de 1998.

Em 2004, o espólio de Edward Kasner, o matemático que popularizou a palavra Googol em 1940, no livro Mathematics and Imagination, considerou processar o Google por causa do nome, mas não foi adiante.

Microsoft

Em 1975, a empresa era apenas um brilho nos olhos de Bill Gates e Paul Allen.

A Microsoft foi criada oficialmente em abril de 1975, com o nome que vem de uma combinação de "microprocessador" e "software" - o que é justo, uma vez que eles estavam criando software para o Altair 8800 da Micro Instrumentation and Telemetry Systems (MITS).

Em 1977, a empresa abriu seu primeiro escritório internacional no Japão sob o nome de ASCII Microsoft. A empresa posteriormente se tornou Microsoft Inc.

Curiosidade: Allen e Gates fundaram um negócio juntos antes da Microsoft chamado Traf-O-Data, que analisava dados de tráfego para criar relatórios para engenheiros. Mesmo não sendo sucesso, foi instrutivo para o empreendimento seguinte deles.

Facebook

É difícil imaginar que muitas pessoas não sabem como o Facebook ganhou seu nome, dado o nível de exposição da empresa e, claro, o filme.

Em poucas palavras, é simplesmente o nome do diretório de estudantes que algumas faculdades nos EUA dão aos calouros para que eles possam conhecer um pouco sobre as pessoas ao seu redor. O serviço esteve em thefacebook.com por cerca de um ano após o lançamento, em 2004, até que a empresa registrou Facebook.com em 2005.

Mozilla

Em 1994, quando uma equipe da Netscape se reuniu para pensar em nomes para um novo navegador para assumir o lugar do Mosaic, o que eles estavam procurando era algo que iria esmagar a concorrência. E pensaram em Godzilla.

A combinação de Mosaic com o filme de monstro levou ao nome atual Mozilla.

Wikipedia

A empresa começou como Nupedia, uma enciclopédia on-line gratuita que foi um subproduto da empresa de Jimmy Wales, Bomis.

No entanto, devido a uma produção heroicamente lenta de conteúdo (12 artigos no primeiro ano), a equipe buscou inspiração sobre a forma de acelerar o processo. E chegou-se à idéia de usar o WikiWikiWeb de Ward Cunningham (um dos primeiros sites editáveis pelo usuário) para despertar interesse em Nupedia, permitindo que as pessoas editassem e contribuíssem com conteúdo.

O WikiWikiWeb ainda está vivo hoje.

Wales oficializou o nome em 10 de janeiro de 2001. Mas isso não explica totalmente o nome.

A palavra Wiki apareceu na empresa como resultado do WikiWikiWeb de Cunningham, mas ele chegou a esse nome após o desembarque no aeroporto de Honolulu, quando disseram para tomar o Wiki Wiki Shuttle. Wiki é uma palavra havaiana para rápido ou ligeiro.

Asus

Este é mais simples. A Asustek, mais comumente conhecida como Asus, foi fundada por quatro ex-funcionários da Acer em 1989, que derivam do nome do cavalo alado grego mitológico Pegasus.

Por quê? Essa é uma pergunta justa.

De acordo com a própria explicação da empresa o nome "encarna a força, pureza e espírito aventureiro desta criatura fantástica, e sobe a novas alturas com cada novo produto que cria."

Ok.

Lenovo

Quando os fundadores da Lenovo se reuniram em 1984 para chegar a um nome, deixaram a reunião de comum acordo que a empresa devia se chamar "Chinese Academy of Sciences Computer Technology Research Institute New Technology Development Company", de acordo   com   o livro The Lenovo Affair, de Zhijun Ling.

Depois, o grupo estabeleceu o nome Legend, que permaneceu por quase duas décadas, até que em 2003, criou sua própria linha de computadores da marca em um negócio separado chamado Lenovo.

A palavra é uma junção de Le e Novo (do nosso latim mesmo).

Skype

Fundado em 2003, o Skype é outra empresa cujo nome se deve à indisponibilidade do nome inicialmente pretendido.

Skype é uma combinação de sky e peer-to-peer, encurtado inicialmente para Skyper, e depois, quando já estava em uso, para Skype, de acordo com o ex-empregado Andreas Sjölund.

Twitter

Este é outro bastante conhecido. Twitter originalmente começou como twttr, inspirado pelo Flickr, embora um usuário desde a versão alfa, @crystal, aparentemente tenha sugerido "FriendStalker", de acordo com Dom Sagolla, um colega da Odeo, onde Jack Dorsey e Ev Williams também trabalharam.

Mas por que twttr?

"Nós fizemos um monte de name-storming, e surgiu o nome 'twitch', porque o telefone meio que vibra quando se move. Mas não é um bom nome de produto porque não traz a imagem correta. Então, olhamos no dicionário palavras em torno desta, e nos deparamos com a palavra 'twitter', e foi simplesmente perfeito. A definição era "uma pequena explosão de informações inconsequentes", e "ruídos de pássaros". E isso é exatamente o que o produto foi". Dorsey disse ao LA Times em 2009.

Yahoo!

Fundada em 1994 como "Guia de Jerry e David para a Rede Mundial De Computadores" por Jerry Yang e David Filo, o Yahoo eventualmente teve o seu nome em janeiro de 1995, quando o domínio foi comprado e a empresa foi constituída.

Mas ao invés de ser baseada no verdadeiro significado da palavra "yahoo" (uma pessoa rude, barulhenta ou violenta), o Yahoo! é um acrônimo para Yet Another Hierarchical Officious Oracle, embora os fundadores aparentemente gostem da definição geral de yahoo também.

VMware

Eu tentei... não queria deixar de fora uma das empresas mais citadas aqui no blog, mas infelizmente não consegui descobrir a origem do nome da VMware, embora tenha encontrado alguns artigos sugerindo que produtos da empresa tenham nomes indicados por consultorias em marketing.

Enfim...

Conclusão

Acredito que por trás de cada nome de empresa há uma história interessante, que envolve quase sempre persistência, uma boa idéia e um propósito.

Por isso penso que, mais que divertir, estas histórias devem estimular uma mentalidade empreendedora, pois é disso que nosso país precisa cada vez mais.

Que sejamos capazes de lutar e persistir pra transformar nossos sonhos em realidade!

Você concorda comigo ? Ou não ? Fala aí!
Mais...

quinta-feira, 19 de março de 2015

Veeam Endpoint Backup - ferramenta gratuita para backup de estações e servidores físicos e virtuais

Ferramenta gratuita backup Veeam VMware HyperV

* Este texto faz parte campanha da Veeam para divulgação do seu novo produto.

A Veeam, empresa líder em soluções de backup e replicação para ambientes virtualizados VMware vSphere e Microsoft HyperV,  apresentou recentemente um novo produto gratuito, o Veeam Endpoint Backup, que chega à versão Release Candidate (RC) após um período de testes da versão beta e inúmeras melhorias.

Apesar de ser uma versão RC, vale a pena testar o produto, pois foi adicionada uma quantidade significativa de novos recursos com base no feedback dos usuários da versão beta.

Os novos recursos do Veeam Endpoint Backup incluem:


  1. Backup diretamente em repositórios de backup Veeam;
  2. Suporte completo para criptografia de unidade BitLocker em backup e restauração;
  3. Capacidade de controlar estado de energia do computador após o backup diário;
  4. Evento "Quando destino de backup está conectado" (antigo "Ao  anexar armazenamento") agora suporta ambos os drives USB e de armazenamento remoto, e é desencadeado quando você se conecta a uma rede a partir da qual o seu destino de backup remoto está acessível;
  5. Maneira mais inteligente de lidar com tentativas (tanto no agendador quanto na interface);
  6. Pasta personalizável para destino de backup;
  7. Suporte para "rotação" de drives USB;
  8. Cópia de segurança é automaticamente impedida de iniciar quando um dispositivo está sendo executado em bateria e nível de bateria é inferior a 20%;
  9. Melhor desempenho do backup (motores de dados locais "conversam" através de memória compartilhada, ao invés de sockets);
  10. Suporte a dispositivos USB 3.0;
  11. Nova instalação!;

Os recursos de integração do o Veeam Backup & Replication incluem:

  1. Restaurar arquivos de clientes e itens de aplicação a partir de backups do Endpoint;
  2. Exportação de discos físicos contendo backups em arquivos de disco virtual VMDK/VHD/VHDX;
  3. Monitoração e gestão de base de todos os backups de entrada, incluindo as comunicações por e-mail aos admins do Veeam B&R sobre o status do backup endpoint;
  4. Capacidade de atribuir permissões a usuários finais repositórios de backup individuais;
  5. Configurações de controle de tráfego agora se aplicam a tarefas de backup do Veeam Endpoint também;
  6. Suporte para backups de terminais em Backups cópia e em fita;
  7. Capacidade de criptografar o backup armazenado em repositorites do Veeam.

Observações importantes

  • Por causa de mudanças significativas, tanto na configuração como nos formatos de backup, não podemos fornecer compatibilidade com versões anteriores para backups, ou uma atualização a partir do código BETA. Por favor, remova o Veeam Endpoint BETA usando o Adicionar/Remover Programas primeiro, antes de instalar esta versão RC;
  • Pelas mesmas razões, não será possível atualizar para a versão final, ou restaurar a partir de backups da versão RC na versão final. Então, por favor, não pense que essa compatibilidade estará disponível.

Download

Verifique se você está conectado ao site da Veeam antes de clicar no link.

A Veeam conta com o seu feedback sobre as funcionalidades novas e atuais!

Update!

Encontrei algumas imagens que ilustram a simplicidade e facilidade da ferramenta. Enjoy!
Veeam Endpint Backup Gratuito configure backup
Configuração do backup

Veeam Endpint Backup Gratuito configure restore
Configuração do restore
Mais...

quarta-feira, 18 de março de 2015

Bilhetes digitais substituirão 1/3 dos convencionais até 2019!

Passaporte digital substituirá os convencionais até 2019!

Do Clube do Hardware vem uma notícia que reforça o quanto o avanço dos smartphones esta mudando rapidamente a realidade das pessoas.

Mas note que a reportagem equivocadamente chamou de "passaportes" os "bilhetes de passagem", provavelmente um equívoco ao traduzir o termo "boarding pass" da notícia original. Vem errata aí :)
Estudo revela que passaportes tradicionais serão substituídos por “passaportes digitais” até 2019 
De acordo com pesquisa da empresa Juniper Research, os passaportes tradicionais serão substituídos por “passaportes digitais” até 2019.
A pesquisa revelou que dentro de quatro anos existirão aproximadamente 1,5 bilhão de “passaportes digitais”, que serão exibidos através de telas de smartphones ou tablets. 
Além disso, o estudou apontou que até o final de 2015 por volta de 745 milhões de “passaportes digitais” deverão ser distribuídos, especialmente para passageiros que viajam muitas vezes seguidas. 
Atualmente, a tecnologia usada pelas companhias aéreas consiste na validação de um código de barras, porém esse método será extinto daqui a algum tempo, com os recursos NFC dos smartphones aprimorados. 
Cinquenta e três por cento das empresas aéreas possuem sistemas que possibilitam o uso de “passaportes digitais”, devendo alcançar os 91% até 2017. 
O estudo ainda revelou que os principais usuários de aplicativos compatíveis com os sistemas virtuais de voo residem nos EUA, Europa e Ásia. 
Mais informações:

Interessante observar que mais de 50% das empresas aéreas já estariam preparadas para usar o bilhete eletrônico, e que lá fora muita gente já usa aplicativos compatíveis com o novo sistema.

Aqui no Brasil vejo um aumento do uso dos apps das empresas aéreas substituindo o checkin "no papelzinho", mas não encontrei informações sobre o percentual que isso representa.

Via Clube do Hardware.
Mais...

segunda-feira, 16 de março de 2015

ITIL: sua Central de Serviços é (IR)relevante ?

ITIL 2011 - Central de Serviços irrelevante ?

Recebi um texto muito bacana numa das (muitas!) listas e grupos que participo, de autoria do Robert Stroud, tratando sobre Central de Serviços, ou Service Desk, e como isto está se tornando irrelevante em certas organizações.

O texto me fez (re)pensar alguns conceitos, e ver sob outro ângulo a postura que temos diante das demandas do negócio para o departamento de TI.

Vejamos algumas considerações do texto.

Já no subtítulo, a menção aos aspectos de colaboração social e compartilhamento de conhecimento entre a "Geração Y" sugere que a Central de Serviços que temos hoje deve ser repensada.

E continua.

"Como você resolve falhas em serviços e outros problemas? Você imediatamente pega o telefone e liga para a central de atendimento ou você, como eu, imediatamente recorre à web para descobrir como resolver o problema por conta própria?

Pensando sobre viajar de avião, eu sei que não fico feliz quando não consigo mudar meus vôos online, mesmo que isso me custe dinheiro. Eu não estou dizendo que os representantes não são úteis. Eles são. Mas eu prefiro a auto-empoderamento de trabalhar numa solução eu mesmo ao invés de ter que chamar um help desk central."

É verdade que este cenário pode não se aplicar a todo mundo, em especial empresas que contem com parcela significativa dos usuários em idade avançada, não adaptados a este novo mundo onde tudo se resolve online.

Mas certamente é algo que deve ser considerado como uma tendência forte nos últimos anos. O empoderamento do usuário é um caminho que deve ser perseguido, dentro das políticas e diretrizes de cada organização, é claro, mas tendo a consciência de que isso tem boa chance de aumentar a satisfação das áreas de negócio com a TI.

Outro aspecto interessante abordado no texto trata da idéia de ponto único de contato (SPOC).

"Por muitos anos, a boa prática teve o service desk fornecendo um único ponto de contato para a comunidade de usuários. Mas lidar com todas as chamadas ou pedidos através de um único ponto de contato tem limitações.

Por um longo tempo tem havido uma busca para educar a comunidade de usuários sobre o balcão de atendimento e como ele funciona, quando na verdade tudo que o usuário precisa saber é como entrar em contato - e isso é apenas quando outros métodos não funcionam.

Levando o gerenciamento de serviços de volta aos princípios básicos, me pus a pensar por que os usuários entram em contato com a TI. Primeiramente, é porque eles querem alguma coisa. Poderia ser um aplicativo, hardware, de redefinição de senha, ou alguma outra forma de ajuda. Pensando sobre as minhas experiências em execução de gerenciamento de mudanças para uma grande organização financeira, posso dizer-lhe que nós sofríamos cada vez que havia uma grande mudança implementada, e quase sempre o desafio era a falta de capacitação, e um aplicativo não-intuitivo estava envolvido. Raramente foi um grande erro de processamento."

Veja que interessante.

Raramente os problemas enfrentados pelos usuários envolvem uma questão realmente grave de infraestrutura de TI, sendo muito mais comuns situações de dúvida, solicitações de serviços simples e, em casos mais complexos, dificuldades com aplicações.

Perceba que estas questões, que devem responder por 90% ou mais (empiricamente falando :) das dificuldades dos usuários, poderiam ser resolvidas com aplicações mais intuitivas e  facilitadores para que os usuários pudessem lidar sozinhos com estas situações.

Só pra exemplificar, tomemos uma empresa que adota os serviços do Google na nuvem para comunicação (Gmail), colaboração (Gdocs) e armazenamento (Gdrive). Eu imagino que o índice de reclamações dos usuários destes serviços na empresa seja baixíssimo, até porque, segundo diz a lenda, uma das coisas mais difíceis para os clientes da Big G é conseguir falar com um ser humano :). E se, por um lado, isto tem um caráter humorístico, por outro fica claro que há um investimento massivo em facilitadores para a solução de problemas pelo usuário, através de informações online e aplicações extremamente intuitivas.

O que nos leva ao próximo ponto do texto do Robert.

Estaria a "Geração Y" tornando as centrais de serviço irrelevantes ?

"Pense em como a 'Geração Y' resolve questões. Meus filhos, por exemplo, usam seus contatos nas redes sociais para resolver problemas, obter indicações de restaurantes e até mesmo coletar opiniões.

Dirigindo para casa a partir do escritório na neve esta semana, passei por um jovem piloto na beira da estrada trocando um pneu furado, com base num vídeo do YouTube.

Com esta abordagem rapidamente se tornando onipresente, o service desk tradicional torna-se irrelevante?

A realidade é que o service desk tradicional tem de se adaptar em face da capacidade de entrega de conhecimento e colaboração de hoje. Além disso, a funcionalidade deve ser entregue no contexto do utilizador. Nada me irrita mais do que chamar uma companhia aérea para alterar vôos, e eles não sabem quem eu sou, o que significa que eu preciso me autenticar. No entanto, quando eu chamo pelo meu iphone, certamente os meus dados devem aparecer diretamente na frente do agente que está me ajudando."

Está claro que precisamos nos adaptar na forma de atender as demandas dos usuários, considerando seu nível de conhecimento e outras características e compondo um perfil que sirva de base para roteiros de atendimento distintos que se adequem à diversidade de pessoas que recorrem à TI.

O que nos leva a um ponto crítico, na minha opinião: (falta de) conhecimento.

"Se você pensar sobre o acesso ao conhecimento disponível hoje, o atendente deve ser capaz de fazer a triagem de minha situação, não apenas "log and flog" (referência a um primeiro atendimento rápido, mas cuja continuidade não apresenta eficiência, mascarando os indicadores de qualidade). Isso exige que os atendentes sejam melhor treinados, que o roteamento inteligente de chamadas esteja em vigor, e que os atendentes tenham conhecimento disponível na ponta dos dedos para fazer a triagem da solicitação. Idealmente, numa única ligação deve-se resolver o problema.

Um exemplo recente foi excelente quando liguei para minha companhia aérea favorita para relatar uma operação fracassada que foi erroneamente cobrada no meu cartão de crédito. O atendente validou a transação, registrou o erro, confirmou que era um problema conhecido que estava sendo trabalhado e me deu um processo para lidar com isso no futuro. Eles ainda agendaram um crédito para o meu cartão de crédito. Este atendente não apenas foi o único ponto de contato, mas estava armado com o conhecimento necessário para conduzir o processo até a conclusão."

Confesso que havia pensado na falta de conhecimento apenas em termos de "bagagem técnica" dos atendentes, mas agora vejo claramente que o conhecimento sobre o caminho até a solução definitiva da solicitação do usuário é fundamental para que o atendente (em especial o de primeiro nível) tenha condições de ser mais eficaz no encaminhamento de uma solução rápida e definitiva para a situação.

Interessante observar que munir os atendentes com o conhecimento necessário pode não ser suficiente, sendo também necessário muní-lo com a "autonomia" necessária para lidar com a situação do usuário fim a fim. E aqui vejo um dos maiores problemas a enfrentar, pois se trata de delegar atividades que podem estar com uma equipe de segundo, terceiro nível, e que pode ter razões para não querer esta delegação, por questões de segurança, ou simplesmente por temer perder a "autoridade" sobre a situação. Além disso, a equipe de primeiro nível precisa estar preparada para lidar com estas novas responsabilidades, tanto em termos de conhecimento quanto de organização.

Concluindo, o Robert menciona mais um caso interessante.

"Eu tive uma outra grande experiência com serviço de empresa aérea recentemente envolvendo um voo cancelado. O app no ​​meu celular me notificou do cancelamento, em seguida, imediatamente me deu opções para reagendamento, juntamente com um botão para ligar imediatamente para a central de reservas caso essas opções não fossem aceitáveis.

Claramente, estamos movendo a função de apoio de gestão de serviços diretamente ao consumidor, capacitando-o para triagem de seus próprios problemas. Isso resulta em maior satisfação do usuário, e também dá aos gerentes de serviços a liberdade de se envolver mais no desenvolvimento de serviços, para se tornarem melhores na gestão proativa de problemas, e para estarem mais disponíveis quando ocorrer a grande crise.

Com os negócios de hoje sendo reescritos por software, gerenciamento de serviços é uma disciplina fundamental para garantir e manter a continuidade do serviço. Há uma oportunidade para que o gerente de serviço faça o help desk tornar-se invisível por imersão dentro do processo de negócio. E onde as chamadas batem na mesa, os analistas devem ser capacitados com conhecimento para resolver a interrupção do serviço!"

Conclusão

Eu achei fantástico o trecho "negócios sendo reescritos por software", indicando claramente que o auto-atendimento é o caminho a seguir, e portanto precisamos preparar nossas equipes de atendimento para esta nova realidade.

E você, acha que a Central de Serviços está se tornando irrelevante ?
Mais...

Seguidores

Tecnologia do Blogger.