a

Tecnologia que interessa!

Tecnologia da informação aplicada - por Christian Guerreiro.

Notícias e novidades em Tecnologia da Informação, Dicas de Apps para Android e iPhone, Big Data, Computação em Nuvem, Governança de TI, ITIL, COBIT, Segurança, Software Livre, Virtualização

Página do Tecnologia que Interessa no Facebook! Twitter do Tecnologia que Interessa! Perfil Google+ de Christian Guerreiro - Tecnologia que Interessa! Receba artigos legais como este!

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Programa da AT&T permite que empresas "banquem" usuários móveis em troca de propaganda

Numa manobra controversa, a AT&T, através do seu programa Sponsored Data, está permitindo que empresas "patrocinem" o consumo de dados dos usuários, de forma que os dados trafegados que estejam relacionados aos serviços fornecidos pela empresa patrocinadora não entram na conta do cliente no fim do mês.

Algumas empresas estão usando este programa da operadora americana para oferecer apps e, claro, propaganda a usuários interessados em economizar no consumo de dados. Empresas do mundo cinematográfico podem oferecer trailers gratuitos e companhias de seguro podem oferecer vídeos instrucionais, por exemplo. Por enquanto, os gigantes do mercado não estão envolvidos (diretamente) neste tipo de programa, mas no futuro próximo...

A iniciativa da AT&T despertou discussões éticas em torno da possibilidade de que empresas com capital suficiente possam usar o programa para controlar o acesso de usuários móveis a diversos serviços e, pior, comprometer a inovação, sufocando empresas sem capital e impedindo que seus conteúdos alcancem o consumidor.

Não sei como o Marco Civil brasileiro trata a questão, mas tenho plena convicção de que é necessário estar atento a este tipo de situação, pois seria um risco alto para a neutralidade da internet. No caso americano, o programa é viabilizado pelo fato de que a neutralidade não se aplica a redes wifi privadas.

E você, o que pensa a respeito ?

Via GigaOM.
Mais...

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Copa 2014 e ITIL: e se a seleção fosse um serviço de TI ?


A Copa 2014 acabou, sem o vexame máximo da Argentina campeã, mas com a marca da decepção trazida pelas partidas desastrosas da seleção canarinho contra a grande campeã Alemanha e a terceira colocada Holanda. Interessante notar o paradoxo entre as expectativas, ambas não confirmadas, de sucesso dentro e caos fora de campo. Mas vamos ao que interessa, afinal é disso que tratamos por aqui, não é mesmo ?

Desde aquela fatídica terça-feira, reflito sobre o aprendizado que poderíamos tirar dali. Afinal, toda situação ruim é uma oportunidade de aprendizado e evolução, melhoria, aprimoramento. É importante saber aproveitar, e por isso resolvi traçar um paralelo entre o que ocorreu no dia 8 de julho e a principal referência em governança de TI adotada mundialmente, o ITIL.

Deixo claro desde já que o objetivo deste texto é, essencialmente, didático, permitindo aproveitar a tragédia para tirar lições que podem ser mutio úteis no dia a dia de qualquer departamento de TI. De todo modo, fiquem à vontade para discordar e até mesmo criticar as idéias que expresso aqui. É da discussão saudável que surgem idéias e resultados melhores.

Assim, comecemos pela seguinte pergunta, que representa a analogia desejada:

E se a seleção fosse um serviço de TI que, na hora H, falha miseravelmente ?

Quais as possíveis causas para a falha ? Quais processos devem ser melhorados para evitar novas situações semelhantes ? Elegi algumas das possibilidades que julguei mais interessante analisar.

Estratégia do Serviço

Nesta fase do ciclo de vida do serviço estão os serviços que, como o nome da fase sugere, vão permitir a definição de uma estratégia para a oferta de serviços de TI na organização, bem como (em nossa analogia) da estratégia de jogo para a seleção brasileira durante a copa do mundo.

Vejo uma falha evidente aqui, identificada a partir da menção (sutil, é verdade) do ex-técnico da seleção, Luiz Felipe Scolari, na entrevista após os 7 x 1, quando disse que as seleções adversárias estavam melhor do que poderiam (eles, a competentíssima comissão técnica da seleção) imaginar.

Estudar a concorrência é uma das etapas envolvidas na construção da estratégia para o serviço, conforme diz o ITIL: "...atuais e potenciais concorrentes, e os objetivos que irão diferenciar o valor do que o prestador faz ou como faz".

Assim, fica claro que o estudo das seleções participantes da copa do mundo não foi feito de forma adequada, gerando as surpresas desagradáveis que presenciamos.

A lição que fica é da importância de estar atento à concorrência. Há serviços no mercado equivalentes àqueles oferecidos pela empresa ? Quais as suas características, limitações e diferenciais ? Como a empresa pretende estruturar seus serviços pra lidar com estas questões ?

Desenho do Serviço

Na fase de desenho estão processos que eu classifico como de "planejamento técnico", pois representam a especificação de um plano detalhado (o Pacote de Desenho do Serviço) que descreve todos os passos necessários para colocar em funcionamento um serviço com qualidade.

É possível identificar falhas em alguns processos desta fase, a começar pelos que considero mais críticos: Gerenciamento de Disponibilidade e Continuidade.

Claramente, a seleção não estava preparada para perder jogadores importantes (indisponibilidade), e pior, não tinha a menor condição de lidar com o "desastre" de perder seu principal craque.

Isto ilustra a importância de ter mecanismos de contingência, e deixa claro que imprevistos, mesmo os mais improváveis, acontecem, e estar preparado pra isso pode fazer uma enorme diferença. Assim como não estar preparado para um desastre levou ao fracasso da seleção, pode levar ao fracasso de uma organização.

Quem nunca ouviu a história das empresas que não tinham contingência quando do ataque terrorista de 11 de setembro de 2001, ou pior, as que tinham contingência na outra torre. Não basta ter "qualquer" contingência, portanto. É necessária uma contingência adequada para suprir as necessidades da organização.

Claro que, no caso da seleção, não dava pra deixar um "Neymar reserva" à disposição, mas acredito ser possível ter um esquema de jogo preparado (e principalmente treinado!) para jogar sem nosso maior craque. Até porque era previsível que o craque fosse caçado em campo, e naturalmente seria necessário poupá-lo ao menos em parte dos jogos.

Já o caso Thiago Silva é mais grave, pois a suspensão por cartão amarelo é algo relativamente comum em qualquer campeonato, então era natural supor que alguns dos jogadores mais importantes da seleção, notadamente os envolvidos com a marcação dos adversários, seriam advertidos com cartão amarelo e possivelmente suspensos de alguma partida.

A lição que tiramos aqui diz respeito à necessidade de avaliar os recursos críticos de TI e prover mecanismos de contingência para os mesmos. No mundo atual, onde praticamente qualquer ação envolve uso de tecnologia, contingência é palavra de ordem, pois o serviço não pode parar.

Ainda na fase de desenho, podemos considerar algumas falhas nos processos de Gerenciamento de Capacidade e Nível de Serviço.

No primeiro caso, podemos fazer uma associação com o "caso Fred", afinal de contas, a estratégia de jogo da seleção exigia a presença de um centroavante, e portanto este "recurso" deveria ter capacidade suficiente para a necessidade do negócio (da competição, neste caso). A substituição deste recurso por outro como tentativa de ampliar a sua capacidade se mostrou ineficaz, o que demonstra que o conjunto de recursos disponível não era capaz de atender à necessidade.

No segundo caso, foi possível perceber uma falha na avaliação do desempenho de vários jogadores, que mesmo não rendendo não eram substituídos, indicando que os métodos de medição de desempenho da comissão técnica divergiam dos que são comumente utilizados. Isto pra não supor o caso extremo de "serviços" que sequer teriam SLAs definidos.

Transição do Serviço

Nesta fase encontram-se os processos que apoiam a efetiva execução das ações necessárias para colocar novos serviços em funcionamento, ou ainda realizar alterações em serviços existentes, e até mesmo desativar serviços.

Assim, vamos considerar os processos desta fase à luz da principal mudança realizada na seleção durante a copa do mundo: a mudança de escalação para o jogo contra a Alemanha.

Podemos especular se os 7 R's teriam sido considerados: requisitante, razão para a mudança, retorno esperado, riscos envolvidos, recursos necessários, responsável pela execução, relação com outras. Entendo que havia razão para as mudanças e o responsável era capaz, mas os riscos envolvidos não foram considerados devidamente, daí a não concretização do resultado esperado. A tentativa de surpreender a Alemanha se revelou uma decisão equivocada.

A lição que fica aqui é quanto à necessidade de avaliar com máximo cuidado os riscos envolvidos em qualquer mudança, de forma a garantir que serão tomadas todas as medidas necessárias para lidar com os mesmos da melhor maneira possível.

Operação do Serviço

Nesta fase estão os processos envolvidos na manutenção dos serviços em funcionamento dentro das condições desejáveis.

Entendo que poderíamos considerar incidentes a contusão de Neymar e o cartão de Thiago Silva, cuja solução exigiu a mudança na escalação que citamos anteriormente.

Melhoria Contínua do Serviço

Nesta fase está o processo que é vital para o futuro da qualidade de qualquer serviço de TI, na medida em que é através do processo de melhoria em sete etapas que se constrói a análise das situações identificadas que representam oportunidade de evoluir e aprimorar a qualidade dos serviços de TI.

Neste sentido, entendo que este é o ponto crucial para o futuro do futebol brasileiro, na medida em que a correta análise dos acontecimentos desta copa do mundo podem resultar na reformulação necessária que leve ao sucesso que tanto desejamos nas competições que se aproximam: Eliminatórias e Copa América em 2015, Copa América e Olimpíadas em 2016 e Copa do Mundo em 2018.

A lição que fica aqui é que as maiores catástrofes podem representar as melhores oportunidades para realizar mudanças importantes (às vezes drásticas) para que se amplie a qualidade dos serviços de TI.

E você ? Concorda com as opiniões que expus aqui ? Quero muito saber o que pensa a respeito!

Quer saber mais sobre ITIL 2011 e se preparar pra certificação ? Confira abaixo!
Mais...

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Roku vs Chromecast vs Apple TV: quem vai ganhar sua sala de TV ?


Como já noticiamos aqui desde 2009, a tendência de substituir a TV a cabo pela TV via Internet segue forte, e já se desenham alguns dos concorrentes de peso neste mercado promissor que é a nossa querida sala de estar.

Para minha surpresa, a briga não se restringe a Google e Apple, sendo o Roku o aparelhinho mais vendido nos EUA em 2013, com 8 milhões de unidades, enquanto Google e Apple venderam, respectivamente, 3,8 e 2 milhões de chromecasts e Apple TVs. Surpreendente, não ?

Pena que o Roku, que alega oferecer mais de mil canais a mais que a concorrência, ainda não esteja disponível no Brasil. A briga promete!

Via GigaOM.


Mais...

Apps Android no Windows Phone: Microsoft desesperada ?

Especula-se que a próxima (última?) cartada da Microsoft será o suporte a apps android nos smartphones Lumia, o que poderia alavancar a presença dos smartphones no mercado e o consequente crescimento da participação do pessoal de Redmond neste mercado tão importante.

Grande sacada ? Desespero ? Vai acontecer ? Vai dar certo ? É esperar pra ver.

Mas confesso que a idéia de apps interoperáveis entre os diversos sistemas de smartphones soa interessante pra mim, mesmo não tendo sido suficiente pra salvar a Blackberry. E pra você ?

Via GigaOM.
Mais...

Voltando às origens (porque SEO e Marketing Digital desmotivam!)

Sabe aquela coisa de feito é melhor que perfeito ? O ótimo é inimigo do bom ? Pois é.

Tenho estudado muito nos últimos anos, em especial dois tópicos: Big Data e Marketing Digital. E este último tópico me deu muitas idéias, mas também me causou uma mudança de comportamento que começo a achar ruim.

Comecei a estudar Marketing Digital por conta do site que mantenho com meus treinamentos. E quando você começa a estudar muito um assunto, fica ansioso pra colocar em prática o aprendizado. E qual a melhor forma de colocar em prática o que se aprende em Marketing Digital ? Blogar, claro! Perfeito! SQN :(

Seria perfeito se o significado da palavra blogar não tivesse mudado pra mim. Blogar agora significava criar um título otimizado para mecanismos de busca (o famoso SEO), utilizar palavras chave no texto, e o pior de tudo (pra mim), escrever mais do que estava acostumado, pois o Google não gosta (em princípio) de textos curtos. Segundo os especialistas, os textos que o Google mais gosta têm pelo menos 1500 palavras.

Isso tudo passou a martelar minha mente cada vez que ia escrever um texto, pois queria aliar um conteúdo bom pra você leitor, mas otimizado pro Google, Facebook, Twitter, etc, o que criou um problema, porque o texto nunva estava bom o suficiente, seja pelo título ruim, pelo não uso de palavras chave, hashtags ou pela quantidade insuficiente de palavras.

Em resumo, várias coisas que queria ter escrito acabei deixando de postar, e isto começou a me incomodar de tal forma que hoje resolvi escrever este texto pra dizer dane-se o SEO e o Marketing Digital!

Quero escrever o que tiver vontade, compartilhar o máximo possível de informações que tenha acesso e que acredito possam interessar a você, mesmo que isso não gere tanto tráfego pro blog nem matrículas em meus cursos.

Então é isso. Esperem mais textos cursos de agora em diante, como nos "velhos tempos", sempre com as informações mais atuais sobre as tendências da tecnologia.

E você, prefere textos maiores com menos frequência, ou textos menores com mais frequência ?
Mais...

terça-feira, 8 de julho de 2014

Como ganhar R$ 28 mil por 4 semanas de trabalho remoto (em 6 passos simples)!


Você leu correto. U$12.800,00 ou cerca de R$28.300,00, por 4 semanas de trabalho. Mas não, eu não ganhei esta grana. Recebi a proposta através do Skillbridge, mas não aceitei, por vários motivos que não convém descrever aqui, pelo menos não hoje.

O Skillbridge é um dos muitos sites para freelancers, consultores e profissionais em busca de oportunidades que já citamos aqui, mas que se parece muito com o Maven, pois também oferece propostas diferenciadas, pois busca identificar profissionais com perfil de experiência e conhecimento que superem as expectativas dos clientes, garantindo maior satisfação e, consequentemente, lucro.

Mas o que quero chamar a atenção com este texto é que, hoje em dia, o profissional preparado pode encontrar oportunidades em qualquer lugar do mundo. Neste caso específico, a proposta veio de Los Angeles, EUA.

Mas como fazer pra receber uma proposta dessas na sua caixa de mensagens ? Veja abaixo os passos que eu sugiro.

1 - Mantenha seu currículo atualizado

Inicialmente, sugiro que se cadastre nos sites indicados e forneça o máximo possível de informações sobre sua experiência profissional, que é o item mais relevante para este tipo de serviço.

Mantenha atualizado também sua experiência profissional no LinkedIn. Aliás, desconfio que foi a partir das informações do LinkedIn que meu currículo foi selecionado pelo Skillbrigde, pois o serviço oferece integração com a rede social para login no site e preenchimento do cadastro.

Mas não basta informar as empresas em que trabalhou, o mais importante é o tipo de projetos que realizou, e o que destacaria nestes projetos, qual a relevância deles. Isto pode facilitar o contato com uma empresa em busca de um profissional com experiência num trabalho específico.

Foque no que você sabe fazer melhor, naquilo que você considera que é "a sua praia", pra evitar projetos mal sucedidos, insatisfação e, consequentemente, menos oportunidades no futuro.

2 - Estude mais e melhor

Nunca foi tão fácil ter acesso a informação de qualdiade. A Internet está repleta de blogs, revistas digitais, artigos científicos, MOOCs gratuitos com os maiores especialistas do mundo e outras fontes de informação confiável, basta saber garimpar o melhor da web.

Mas ter acesso à informação é apenas parte do processo. É necessário transformá-la em conhecimento que possa ser aplicado em projetos e atividades reais no futuro (no presente seria o ideal).

Pra facilitar a assimilação das informações, há opções interessantes como os apps que melhoram a capacidade de leitura e memorização, além de outras técnicas que vão te ajudar a assimilar melhor e mais rapidamente o vasto conjunto de informações disponíveis, aumentando sua chance de se tornar um autodidata.

É importante também organizar os estudos, incluindo definir horários, intervalos e frequência dos estudos, bem como a forma (áudio, vídeo, texto, etc). Eu descobri que os engarrafamentos são um grande aliado dos estudos, se você conseguir fontes em áudio sobre o tema do seu interesse. No meu caso, converti vídeos de treinamentos em áudio e ouvia no carro. Aprendi muito assim nos últimos meses.

3 - Se mantenha atualizado

Conhecer as tendências de mercado, especialmente na área de sua especialidade, é fundamental para ter acesso a boas oportunidades. Quando um cliente ou potencial empregador entra em contato com você, seja por e-mail, numa rede social ou numa entrevista de emprego, uma avaliação inicial da sua experiência é feita a partir das informações que você disponibiliza.

Por isso, a dica é monitorar as tendências na área de sua especialidade. E pra isso, um dos caminhos mais fáceis é usar os alertas do Google para monitorar tendências

Utilizar as redes sociais para se conectar com especialistas na sua área de atuação é outra opção interessante, e neste caso fica bem mais fácil de você usar alguma ferramenta para gerenciamento de perfis em redes sociais.

4 - Encontre as melhores fontes de informação

Este é um dos assuntos mais recorrentes desde que o blog foi criado, seja indicando fontes confiáveis para pesquisas ou ferramentas para acesso a feeds RSS.

Descobrir fontes de informação confiáveis sobre o assunto no qual se deseja especializar é uma das coisas mais importantes para garantir melhores resultados, por isso não subestime este passo. Dá um pouco de trabalho, mas vale a pena.

Identifique os especialistas na área de seu interesse e siga-os nas redes sociais. Identifique os termos relacionados aos temas do seu interesse através de pesquisas na web, relacione sites e blogs especializados no assunto e acompanhe.

É importante levantar uma quantidade razoável de fontes (pelo menos 10), não apenas para ter visões diferentes sobre o assunto, mas também para analisar as fontes que são mais úteis pra você, seja pela forma com que o assunto é abordado, nível de profundidade, forma de escrita, etc. Com o tempo você pode perceber que umas fontes são mais úteis que outras, e não hesite em descartar as fontes menos úteis, pois seu tempo é precioso e deve ser usado da maneira mais produtiva possível.

5 - Seja mais produtivo

E falando em produtividade, esse é um dos problemas que surge quando se tem acesso a muita informação. É grande o risco de ficar "afogado" em tanta informação. Por isso é importante organizar e priorizar as informações de acordo com sua importância e utilidade no curto, médio e longo prazo.

E não esqueça de colocar em prática o que aprendeu. Identifique ferramentas e aplicativos relacionados ao tema de seus estudos e instale, utilize e aplique seu conhecimento. Sem isso, você não vai adquirir o domínio necessário para se tornar referência e encontrar boas oportunidades.

Para ser produtivo, é importante se conhecer, para então identificar o período do dia em que os estudos "rendem" e conseguir melhores resultados. Utilize as técnicas que tiver a sua disposição para tornar seus estudos mais proveitosos e efetivos. Atenção especial para seu smartphone. Há uma infinidade de aplicativos para auxiliar no aprendizado, vale a pena pesquisar.

6 - Se diferencie (e se motive)

Se diferenciar, neste contexto, significa oferecer algo a mais em relação ao "normal do mercado". Pode ser através de um entendimento mais aprofundado de determinado assunto, ou entregando algo que surpreenda o cliente, etc. Pra isso é preciso dedicação. Muita dedicação.

Por isso, encontre um tema que seja do seu interesse. Algo que queira muito saber a respeito. Algo que queira saber muito a respeito. Sem isso não haverá motivação necessária pra ir a fundo e conhecer muito sobre o tema.

Uma frase muito legal que li recentemente é que se você não é capaz de ensinar a uma criança sobre algo, é porque você não conhece o suficiente. Use esta frase para avaliar se você está "pronto" para o mercado e para as oportunidades que deseja.

E você ? Tem alguma dica de produtividade pra compartilhar ? E sobre encontrar boas oportunidades ? Compartilha aqui com a gente!
Mais...

segunda-feira, 30 de junho de 2014

19 soluções para computação em nuvem que você devia conhecer (atualizado)!


Falamos de computação em nuvem desde 2009, já listamos algumas soluções livres interessantes (destaque para o Hadoop, rei do Big Data!), indicamos vantagens e desvantagens de adotar a nuvem e criticamos as falhas constantes de alguns dos serviços mais conhecidos e usados. Sem falar no ótimo comparativo de soluções de computação em nuvem que disponibilizamos.

De 2009 pra cá muita coisa mudou, as soluções evoluiram, melhoraram em termos de custo, desempenho e até mesmo segurança, a exemplo da adoção recente de criptografia como padrão em serviços do Google e da Microsoft, especialmente para o mercado corporativo.

Assim, é hora de encarar a realidade: ir para a nuvem é inevitável, e a pergunta não mais envolve o "se", mas o "quando" e "como". Por isso resolvi relacionar algumas das ferramentas mais interessantes que vale a pena conhecer e se preparar para esta nova realidade, evitando ser surpreendido quando as demandas e dúvidas de usuários, clientes e (pior) chefes chegarem.

Até porque é cada vez mais comum ver usuários comparando serviços corporativos com seus "equivalentes" na nuvem, a exemplo de correio eletrônico, suites de escritório, serviços de armazenamento e outros. Confira nosssa lista "As a Service" pra ter uma idéia melhor do que estou falando.

Vamos à lista de soluções:

Inicialmente, é importante registrar que não basta contratar um provedor de nuvem como Amazon, Google, Microsoft, VMware, Rackspace, IBM, HP e outros. A escolha de um provedor é uma tarefa difícil (esta lista e este comparativo podem ajudar), e um dos critérios deve ser as ferramentas de controle que o provedor oferece. A partir das limitações identificadas, é provável que seja necessário utilizar algumas das soluções que apontamos a seguir.

Aliás, a análise das necessidades da empresa pode apontar para o caminho da nuvem privada, e neste caso é fundamental conhecer o OpenStack, a plataforma de computação em nuvem que já mencionamos aqui algumas vezes, que é muito bem suportada no Ubuntu, e que até a VMware já se rendeu.

Se você vai contratar ou já contratou um provedor, o cloudorado pode ajudar a avaliar os custos envolvidos. Outras soluções para monitorar a controlar custos de provedores são ApptioCloudyn e Cloudability.

Se você precisa gerenciar uma quantidade razoável de servidores (principalmente Linux) e tem que realizar tarefas semelhantes em todos, vale a pena conhecer ferramentas como funccapistrano e fabric.

Um aspecto especialmente importante quando se trata de administrar um ambiente de computação em nuvem é o gerenciamento de configuração, e nesta área se destacam soluções como Puppet e Chef, muito usadas em provedores e fundamentais para manter um ambiente de nuvem privada devidamente padronizado em termos de configurações, aplicativos, pacotes, etc. Mas a lista de opções é bem extensa!

Outro aspecto que é necessário considerar para manter sua nuvem privada em ordem é a automatização do provisionamento, e neste sentido vale a pena conhecer ferramentas como Vagrant, que utiliza o Virtualbox pra automatizar o processo de criação de máquinas virtuais com ambiente configurado automaticamente, muito útil para desenvolvedores e administradores que precisam criar fácil e rapidamente ambientes para testes. É bom ficar atento à solução queridinha do momento quando se trata de deploy automatizado, a Docker, que utiliza o LXC (Linux Containers) ao invés do Virtualbox, o que garante mais desempenho, porém menos compatibilidade (não dá pra usar no Windows, por exemplo).

As ferramentas de monitoramento, gerenciamento e administração de sistemas já suportam os principais provedores de nuvem. Fornecedores como ManageEngineAppDynamicsMonitis, e até velhos conhecidos como Zenoss e Nagios já fornecem recursos voltados para ambientes de cloud.

E você, já usa alguma ferramenta voltada pra nuvem ? O que pensa a respeito ?

ps: esqueci de mencionar as ferramentas de rede e armazenamento. No primeiro caso, convém relembrar do que se trata essa tal de SDN, para então avaliar melhor os benefícios que Open vSwitch, Openflow e outras ferramentas podem oferecer. No segundo caso, já listamos aqui várias ferramentas muito interessantes para lidar com armazenamento em ambientes virtuais de cloud.
Mais...

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Notícias da #VMware: Amazon Portal for vCenter, Boas Práticas pro vSphere 5.5, benchmark de segurança, Hyperthreading e mais



O Datacenterdan traz também um artigo excelente em que lista as principais recomendações de boas práticas para o vSphere 5.5, incluindo otimização de desempenho, atualização, monitoramento e muito mais. Leitura obrigatória pra quem usa a versão mais nova da suite de virtualização.

O Leandro traz um resumo (em espanhol) das informações gerais que você deve saber sobre a VSAN. Não deixe de conferir também nossa análise sobre esta funcionalidade revolucionária.

O Blog VMware traz um artigo com informações básicas (em espanhol) sobre o funcionamento do VMware vSphere Replication. Vale a leitura.

O Blog VMware traz outro artigo interessante, desta vez sobre os cuidados necessários ao utilizar processadores com o recurso de Hyperthreading, pois esta tecnologia impacta o escalonamento de CPU pelo software de virtualização e há algumas contraindicações.

O site CIS Security disponibilizou um benchmark de segurança para ESXi 5.1 que ajuda a identificar as configurações necessárias para o hardening dos seus hosts, em especial se utilizados numa DMZ.

O site Empiric Virtualization traz uma série de artigos sobre virtualização denominada "Virtualization 101", cobrindo desde o bê a bá mesmo. Uma série para leigos, a quem possa interessar.

Conheça o Amazon Management Portal for vCenter, a interface de gerenciamento pra quem utiliza a suite da VMware e que deve facilitar a migração de ambientes virtualizados para a nuvem da Amazon. Grande sacada!

É (só) isso. Por enquanto :)
Mais...

Seguidores

Do not speak portuguese ? Translate the blog!

Tecnologia do Blogger.

Pesquise filmes, música, jogos, livros e programas!

-->

Featured FREE Resource: