A história do VMware vMotion

Migração de máquinas virtuais em execução com vMotion

Resolvi desencavar um texto obtido em um dos sites que mais respeito quando se trata de virtualização com VMware, o Yellow Bricks, do Duncan Epping.

Neste texto ele explica como surgiu o vMotion, descrevendo um dos recursos mais revolucionários da história da tecnologia, em especial a virtualização.

É como sempre digo no curso de VMware: o vMotion é incrível, mas ainda mais incrível é o que a VMware fez a partir do vMotion. Por isso penso que falar de vMotion é mais que falar sobre virtualização, é falar sobre inovação, sobre criar novas possibilidades.

Mas chega de conversa fiada. Vamos ao texto do Duncan, em tradução/adaptação livre minha.

Algo que eu sempre quis saber é como o VMotion (sim, eu estou usando o nome antigo de propósito) nasceu. Depois de algumas pesquisas na internet e até mesmo em sites internos, notei que quase não existem detalhes que podem ser encontrados.

Talvez porque a história não seja tão emocionante como nós esperamos que seja, ou porque ninguém teve tempo para documentá-la. Na minha opinião, no entanto, VMotion ainda é uma das principais características que a VMware oferece, mas ainda mais importante é o que revolucionou o mundo da TI. Eu acho que é uma grande parte da história da VMware e, provavelmente, o ponto de inflexão para a empresa. Para mim, pessoalmente, VMotion literalmente é o que me fez decidir, anos atrás, a adotar a virtualização e estou certo isso vale para muitos outros.

No VMworld perguntei quem era o principal responsável para VMotion na época, mas ninguém realmente tinha uma resposta clara até que eu esbarrei em Kit Colbert. Kit, que ainda era estagiário na época, trabalhou em estreita colaboração com a pessoa que originalmente desenvolveu o VMotion. Eu decidi entrar em contato com o engenheiro e perguntei se ele estava disposto a compartilhar a história sobre a qual há um milhão de mitos flutuando por aí.

Antes de me revelar a verdadeira história sobre como VMotion veio a vida que eu quero agradecer a Mike Nelson por revolucionar o mundo da TI e tomar o tempo para compartilhar isto comigo e me permitir partilhar com o resto do mundo. Aqui está a verdadeira história do VMotion:
"Um grupo de nós na VMware veio da academia onde a migração de processos era popular, mas nunca funcionou em nenhum sistema operacional dominante porque haviam muitas dependências externas para lidar. A plataforma VMware, por outro lado, provia a capacidade de encapsular todo o estado de uma máquina virtual. Isso foi comprovado com o usando checkpoints; onde fomos capazes de fazer um checkpoint de uma máquina virtual, copiar o estado para outro host, e depois retomá-la. Foi um próximo passo óbvio que, se pudéssemos salvar o checkpoint em disco e retomar em outra máquina, deveria ser possível fazer checkpoint através da rede para outra máquina e então continuar.
Durante a fase de design do que mais tarde se tornaria o Virtual Center (atual vCenter), alguns de nós discutimos a noção de migração de máquina virtual. Eu assumi a liderança e escrevi algumas notas de design. Consegui me retirar do desenvolvimento da linha principal do ESX 2.0, e decidi sair e construir um protótipo para migração de máquina virtual. Eu consegui construir um protótipo rapidamente porque já tínhamos suporte a checkpoints. No entanto, é claro que havia muito mais trabalho a ser feito por mim e outros para transformar o protótipo em um produto de alta qualidade.
Eu precisava de algo para demonstração, então eu usei o aplicativo pinball no Windows. O único aplicativo interativo que eu tinha em minhas máquinas virtuais foi pinball. Eu tinha duas máquinas lados a lado, cada uma com um display. Eu começaria o pinball em uma máquina virtual numa máquina física, e então iniciaria a migração e continuaria a jogar pinball. Quando a pré-cópia de memória fosse feita, a máquina virtual faria uma pausa por um segundo e, em seguida, retomaria na outra máquina física. Eu, então, continuaria a jogar pinball na outra máquina.
Essa é a história VMotion. Basicamente, a VMware havia construído a tecnologia subjacente que tornou o VMotion possível. Tudo o que era necessário era alguém para dedicar o tempo para explorar essa tecnologia e construir o VMotion.
-Mike"
O engraçado é que, embora este possa ter sido o próximo passo óbvio para a engenharia VMware, é algo que "chocou" muitos de nós. A maioria de nós ainda se lembra da primeira vez que ouvimos falar em VMotion ou lembra dela sendo demonstrada, e como eu disse, é a característica que me convenceu a adotar a virtualização em larga escala, ou melhor dito, é responsável por eu acabar aqui (na VMware)!

No meu caso, a demo foi bastante "simples". Nós "VMotionamos" uma VM do Windows, mas tínhamos uma sessão RDP aberta com a VM e, claro, estávamos convencidos de que a sessão seria abandonada. Eu acho que fizemos o VMotion mais de 10 vezes, já que não podíamos acreditar que realmente funcionava.

Agora, eu não sou o único que estava espantado com este grande pedaço de tecnologia, é claro, portanto, a razão pela qual eu estendi a mão para alguns blogueiros conhecidos e perguntei se eles poderiam contar suas histórias/confissões sobre VMotion...

Chad Sakac, virtualgeek.typepad.com 
Se vmotion é sobre a mobilidade sem interrupções carga de trabalho (um conceito incrível), onde as coisas ficam "loucamente" legais para mim é quando os cenários e definições de "carga de trabalho" e "mobilidade" são esticados.
No início de 2007, eu estava no porão da minha casa brincando com os primeiros protótipos do Celerra VSA (storage virtual) e com ESX. Era um daqueles cenários, agora comuns, onde o host que hospeda o VSA acessa uma LUN iSCSI apresentada pelo próprio VSA hospedado, que por sua vez apoia outras VMs. Mesmo sendo intelectualmente óbvio que VMotion **devia** funcionar, nunca foi menos surpreendente vê-la em ação, sem queda de conexão das cargas de trabalho.
Naquele momento, percebi que a carga de trabalho poderia ser mais ampla definição como eu queria, incluindo pilhas completas, normalmente associadas a "hardware", tais como arrays de armazenamento. Foi também um "aha" de que isso poderia se transformar em um milhão de casos de uso, normalmente não associados a uma carga de trabalho de servidor.
Nota irônica - no dia seguinte, eu estava mostrando esse conceito na sala de reuniões durante uma discussão sobre porque todas as nossas "pilhas" precisavam ser encapsuladas e virtualizadas. Acontece que eles já estavam trabalhando nisso :-)
Ao longo do tempo, a idéia de mobilidade de carga de trabalho sem interrupções sobre o que hoje são consideradas configurações de distância, rede e armazenamento "loucas", amanhã será considerado normal.
Para mim, enquanto eu me lembro de estar espantado a partir de um caso de uso genérico sem graça, o momento "isso vai mudar tudo" ocorreu para mim em 2007.

vMotion e svMotion nunca deixam de me surpreender.

Nada menos do que o esperado e, é claro, alguns cenários loucos e, como Chad afirma, que não são suportados pela VMware, mas ele definitivamente mostra o potencial da tecnologia!

Frank Denneman, frankdenneman.nl 
Em nossos testes de VCDX em Copenhague falamos sobre as coisas em sua vida que você sempre vai se lembrar. Minha resposta foi: Ver Retorno de Jedi no cinema, a queda do muro de Berlim, 11 de setembro, o assassinato de Pim Fortuyn e testemunhar o vMotion em ação pela primeira vez.
Lembro-me claramente o meu colega gritando através da parede que separava o nosso escritório. "Frank, que você realmente quer ver algo legal ?" Como admin/arquiteto responsável por uma infra-estrutura global de MS Exchange, nada realmente poderia me impressionar naqueles dias, mas dando-lhe o benefício da dúvida, eu fui.
Peter sentado ali, sorrindo como um louco, me ofereceu um banco, porque ele pensou que era melhor para se sentar. Ele abriu um prompt do DOS, desencadeou um ping contínuo e mostrou a infra-estrutura virtual explicando a localização atual da máquina virtual. Quando começou a migrar a máquina virtual, ele me instruiu a manter o ping contínuo, após a perda de um de ping explicou que a máquina virtual estava funcionando em outro host, e para me provar, ele desligou o host ESX. Eu saltei do meu assento, disse algumas palavras que eu não posso repetir on-line e eu estava convencido.
Acho que migraram a máquina virtual durante todo o dia, convidando qualquer um que passou por nosso escritório para ver o melhor show da terra. Nenhuma explicação é necessária, claro, mas a partir desse ponto eu estava viciado em virtualização e o resto é história.
Eu ainda gosto de explicar às pessoas a tecnologia de vMotion e ainda classifico em meu livro como uma das tecnologias mais Kick Ass disponíveis hoje. Como Mendel explicou na palestra do VMworld 2006 demonstrando a gravação de um fluxo de execução (agora chamado Fault Tolerance), nós temos a tecnologia e a plataforma disponível para fazer tudo o que queremos, o problema é que ainda não tenham atingido os limites da nossa criatividade, eu totalmente concordo e acho que ainda não atingiram o potencial total de vMotion. Caramba, eu estou indo para o meu laboratório apenas para fazer vMotion num monte de máquinas virtuais.

Posso agradecer a Peter para a introdução de Frank para o maravilhoso mundo da virtualização?

Mike Laverick, rtfm-ed.co.uk 
Meu primeiro VMotion era demo do servidor de mídia a ser movido de uns hosts ESX para outro. Eu não lembro agora o clipe de filme estava sendo mostrado para os desktops - acho que poderia ter sido um trailer de Homens de Preto. De qualquer forma, nada piscou ou parou - o vídeo não parava de passar, sem soluços.
Nesse ponto, minha mente começou a correr. Eu estava pensando inicialmente sobre a manutenção de hardware. Mas rapidamente (este em ESX2) comecei a pensar em mover VMs ao redor para melhorar o desempenho e na possibilidade de mover máquinas virtuais através de grandes distâncias. Na época, eu disse aos meus companheiros Microsoft sobre tudo isso, e eles foram muito céticos. Virtualização, ele (des)informou-me, ia ser um fogo de palha, e VMotion era algum tipo de brinquedo - é claro, agora o HyperV suporta "Live Migrate" como parte integrante da virtualização.
Na verdade, quando eu comecei a fazer uma demonstração VMotion aos meus alunos, ocasionalmente, eu senti como se estivesse showboating (fazer shows por aí com um barco). Isso foi nos dias do vCenter 1.x. Mas, em alguns aspectos, não há mal nenhum em exibicionismo. Permitiu-me demonstrar aos alunos como muito à frente VMware estava em relação à competição, e o quão visionária a empresa é. Certamente acrescentou à minha credibilidade o fato de ter uma tecnologia que era tão fácil de configurar (contanto que você se tivesse os pré-requisitos básicos) e a grande coisa sobre VMware e seus cursos é que o próprio produto se vende.

Como já foi dito, mas reforçado por Mike ... VMotion mudou o mundo, e o fato de que tanto a Microsoft quanto a Citrix copiaram o recurso definitivamente suportam essa afirmação...

Scott Lowe, blog.scottlowe.org 
Lembro-me de quando eu comecei a testar vMotion (então VMotion, é claro). Eu estava absolutamente certo de que ele tinha que ser um truque - certamente você não pode mover uma carga de trabalho em execução de 1 servidor físico para outro! Eu realizei meu primeiro vMotion com apenas uma compilação de servidor Windows 2000 standard. Funcionou como esperado. Então, eu tentei um servidor Citrix Metaframe com usuários logados. Funcionou também. Então eu tentei um servidor de arquivos ao copiar arquivos de e para o servidor. Mais uma vez, funcionou. SSH? Funcionou. Telnet? Funcionou. Servidor de mídia com os clientes de streaming de conteúdo? Servidor Web, enquanto os usuários estavam acessando páginas e download de arquivos? Active Directory? Solaris? Linux? Tudo funcionou. Neste ponto, depois de dias - ou mesmo semanas, sem sucesso, tentando fazê-lo falhar, eu estava convencido. Fiquei oficialmente viciado em virtualização com VMware.
Obrigado pelo convite para partilhar memórias sobre vMotion!

Parece que todos os blogueiros "top" ficaram viciados em virtualização quando testemunharam o VMotion... Como eu disse no início deste post; VMotion revolucionou o mundo da TI e eu gostaria de agradecer a VMware e, especialmente, Mike Nelson para este grande presente!

Eu também gostaria de agradecer a Scott, Mike, Frank e Chad por compartilhar suas histórias e eu aposto que muitos de vocês estão tendo atualmente flashbacks de quando assistiram pela primeira vez um VMotion.

Conclusão

O relato do Duncan confirma minhas impressões sobre a VMware, e mostra como a inovação pode criar muitos fãs, que ficam viciados de tão maravilhados com a tecnologia provida pela empresa. Confesso que sou meio fanboy da VMware, embora tenhamos tido nossas DRs, continuo admirando a empresa e, mesmo achando que o aumento da concorrência no mercado é positivo para nós enquanto clientes, espero que a empresa se mantenha no topo por muito tempo ainda, pois eles têm muito mérito.

E você, o que acha do vMotion e da VMware ? Quer aprender mais sobre o assunto ? Deixe aqui suas observações!

GOSTOU DESSE ARTIGO ?
Quer saber mais sobre Virtualização e VMware? Clique aqui.

Christian Guerreiro

Professor por vocação, blogueiro e servidor público por opção, amante da tecnologia e viciado em informação.


Ensino a distância em Tecnologia da Informação: Virtualização com VMware, Big Data com Hadoop, Certificação ITIL 2011 Foundations e muito mais.


Suporte o Tecnologia que Interessa!

Você acha que as informações compartilhadas aqui são úteis?
Então me ajude a produzir ainda mais e melhores conteúdos!


É muito fácil. Basta divulgar nossos treinamentos pra alguém que conheça!


E se for de Salvador, podemos estruturar um curso presencial para sua empresa!

Eu vou ficar muito grato (e quem fizer os curso também :)!