Por que você não deve se preocupar (tanto) com certificações

Certificações em TI

Há quem ache que certificações profissionais não servem pra nada, afinal não provam que você tem experiência "de verdade" naquela tecnologia, pois apenas atestam que você passou num exame.

Há quem pense que as certificações em TI são sim importantes para a carreira profissional, pois, ainda que sejam "apenas" o resultado de uma prova (cujo percentual de acerto necessário pra ser aprovado às vezes nem é tão alto assim), revelam que você tem conhecimento sobre a tecnologia.

Seja qual for a sua opinião, o fato concreto é que grande parte das vagas disponíveis no mercado contém em suas descrições uma ou mais siglas de certificações em TI: ITILF, PMP, CCNA, VCA, VCP, MCSA e MCSE são algumas das mais comumente exigidas.

As Certificações Mais Badaladas para 2017

A lista das certificações TOP do mercado para 2017, segundo a Global Knowledge, traz o seguinte ranking:

1. Certified in Risk and Information Systems Control (CRISC)

2. Certified Information Security Manager (CISM)

3. AWS Certified Solutions Architect – Associate

4. Certified Information Systems Security Professional (CISSP)

5. Project Management Professional (PMP®) 

6. Certified Information Systems Auditor (CISA)

7. Citrix Certified Professional – Virtualization (CCP-V)

8. ITIL® v3 Foundation

9. VMware Certified Professional 5 – Data Center Virtualization (VCP5-DCV)

10. Citrix Certified Associate – Networking (CCA-N)

11. Microsoft Certified Solutions Expert (MCSE) – Server Infrastructure

12. Microsoft Certified Solutions Associate (MCSA) – Windows Server 2008

13. Citrix Certified Associate – Virtualization (CCA-V)

14. Cisco Certified Networking Professional (CCNP) Routing & Switching

15. Microsoft Certified Solutions Associate (MCSA) – Windows Server 2012 

O Mercado das Certificações

Sem dúvida há um mercado bilionário envolvendo a realização de treinamentos (oficiais ou não) voltados para produtos e tecnologias relevantes do mercado.

Agora pense comigo.

Você é dono de uma empresa de tecnologia bem posicionada no mercado.

Você sabe que as soluções de hardware e software que oferece são modernas e auxiliam efetivamente profissionais e empresas a alcançarem seus objetivos.

Não lhe parece óbvio que sua empresa tem a responsabilidade de treinar profissionais no uso das tecnologias que oferece?

E se estas tecnologias são realmente úteis, não lhe parece justo que este treinamento seja remunerado?

E porque não, além do treinamento, criar um programa de certificação para atestar o conhecimento da tecnologia por parte dos profissionais?

Pois é.

Do ponto de vista comercial, faz todo sentido.

Você pode argumentar que a empresa ganha dinheiro ao vender sua tecnologia, e portando deveria treinar os profissionais de graça.

Esse raciocínio também faz sentido, tanto que Microsoft, Amazon, Google, VMware, IBM e muitas outras empresas oferecem treinamento gratuito em suas tecnologias, especialmente para instituições de ensino.

Mas não sejamos ingênuos.

Empresas são instituições comerciais, que visam o lucro, e portanto não perdem a oportunidade de faturar.

Por isso, é natural que criem programas de certificação para suas tecnologias, e que cobrem por isso.

Afinal, preciso mesmo de uma certificação?

O ponto principal é que selecionar baseado em certificação é simples.

É muito mais fácil pra uma empresa representar o conhecimento exigido para uma vaga através de uma sigla, do que através de uma avaliação rigorosa, detalhada e trabalhosa da experiência "real" do profissional a ser contratado.

Diante disso, não vejo muita alternativa para o profissional de TI que busca se posicionar bem no mercado e ter uma carreira de sucesso.

Sim, a certificação é necessária.

Certamente, para alguns, um mal necessário.

Porém, é fundamental escolher cuidadosamente certificações que reflitam seus objetivos profissionais.

Certificações abrem janelas de oportunidade, por isso são valiosas.

Mas não se limite a realizar a prova e "sentar em cima do transcript".

Isso só vai garantir frustração no futuro, quando a certificação se tornar defasada e seus conhecimentos não forem mais suficientes para obter a sua nova "versão", "edição", "nível" ou seja lá qual for o nome que se dê à carreira de certificações profissionais que você escolheu.

Certificação vs Conhecimento vs Experiência

A discussão é antiga, e certamente você já se deparou com ela.

"Certificação não garante experiência!"

"Certificação não avalia com precisão os conhecimentos do profissional!"

Esta é apenas uma pequena amostra das discussões que se repetem, periodicamente, nos grupos de Whatsapp, Facebook, LinkedIn, etc.

Ocorre o mesmo com a tal da "Regulamentação da Profissão de TI", mas não vou entrar nessa seara.

O que quero aqui é te oferecer um caminho que permita conciliar o atendimento às necessidades simplistas do mercado (certificação) com a aquisição de conhecimento e experiência real com as tecnologias que farão a diferença na sua empregabilidade, hoje e sempre.

Para isso, basta seguir os três passos a seguir:

Estude

Este ponto é autoexplicativo.

Para obter a certificação que o mercado exige, você precisa estudar para passar no exame.

Lembro quando fui solicitado pela empresa que trabalhava, a long time ago :), a passar em 3 ou 4 exames de certificação no período de dois ou três meses.

A empresa precisava de um profissional com um nível maior de certificação para participar de um processo de contratação em algum órgão, e pretendia usar meu currículo.

Fiz os exames, e passei.

Mas o ponto relevante aqui não é o fato de ter passado, mas sim a razão para o êxito no desafio.

É bem verdade que recorri aos famosos braindumps, e sim, haviam várias questões idênticas às dos simulados na prova de certificação.

Aliás, esse é um dos motivos do meu treinamento em VMware incluir um simulado e uma vídeo aula dedicada a explicá-lo em detalhes, questão por questão.

Entenda

Apesar dos braindumps, o que facilitou enormemente o meu êxito nos exames de certificação foi o conhecimento aliado à experiência.

Eu trabalhava com aquela tecnologia há pelo menos 3 anos, já havia participado de atividades de planejamento, implantação, otimização, troubleshooting, migração de versão, etc.

Ou seja, eu já tinha um grau de domínio avançado da tecnologia, o que fazia com que o conhecimento essencial sobre o funcionamento da solução estivesse enraizado.

Eu entendia a tecnologia, sua utilidade e propósito.

Não era um simples "operador de ferramenta".

E isso fez TODA a diferença.

Pratique

Como você já deve ter notado, para entender é preciso praticar.

Se eu não tivesse feito todas aquelas atividades, certamente não teria solidificado o conhecimento, e seria bem mais difícil passar nos exames de certificação.

Aliás, venho comprovando isso nos últimos anos.

No processo de preparação para me tornar Cientista de Dados, passei muito tempo estudando sem praticar, e vejo que isso me prejudicou, pois acabei absorvendo muito conhecimento teórico e hoje sinto falta de ter praticado mais.

Por isso, reduzi drasticamente o volume de estudos (cancelei praticamente todos os alertas do Google sobre Big Data, por exemplo) e passei a focar em praticar, criando mais código e gerando mais resultados. E falando em resultados, eles vão aparecer aqui no blog logo logo.

Conclusão (e Confissão)

Antes de concluir, tenho uma confissão a fazer.

A origem desse post foi um comentário que recebi na página do Tecnologia que Interessa! no Facebook.

Estava divulgando o curso VMware e usei a certificação VCA-DCV como chamariz, por razões óbvias, como você já entendeu pelo que escrevi aí acima.

Então alguém fez o seguinte comentário:

Como um VCA pode ser um destaque ? rsrs

A minha resposta foi a seguinte:

É uma pena que o mercado supervalorize as certificações, que inúmeras vezes não provam absolutamente nada sobre a competência dos profissionais. 
Gostaria muito de poder divulgar o treinamento focando exclusivamente nas dezenas de recomendações sobre otimização de processamento, uso de memória, rede e armazenamento, que fazem diferença real no dia a dia dos administradores de ambientes virtualizados, mas infelizmente não é o que o mercado espera, por isso preciso usar a certificação VCA como atrativo. 
O conteúdo do curso toca em diversos aspectos da certificação VCP também, mas esta certificação exige treinamento oficial da VMware, por isso não toco nesse ponto. 
De tudo isso, o que importa mesmo é que a satisfação dos alunos me motiva a continuar divulgando o curso. 
O resto é detalhe.

Por isso, mesmo correndo o risco de ser (ainda mais) repetitivo, peço que vá além da certificação.

Busque, acima de tudo, conhecimento e experiência.

Estude.

Entenda.

E, principalmente, pratique.

Seja planejando e implantando tecnologias usando os conhecimentos aprendidos.

Seja ajudando outros a resolver problemas com sua experiência.

Seja treinando outros profissionais.

Crie um laboratório em casa (ou na nuvem!).

Crie um blog (ou venha colaborar comigo!).

Crie um canal no Youtube e publique tutoriais.

Compartilhe seus conhecimentos nas redes sociais.

Se dedique a projetos interessantes na sua empresa (ou mesmo nas horas vagas).

Enfim...

Se torne referência mostrando ao mundo o que você sabe.

E então será bem mais fácil do que imagina obter a certificação (e emprego) que quiser!

Afinal de contas, quem você indicaria pra uma oportunidade:
Alguém que tirava suas dúvidas sempre que você precisava...
Ou alguém que tirava onda de sabe tudo mas não ajudava ninguém?


E você? O que pensa sobre certificação em TI?

Deixe seu comentário!

Vamos debater este assunto tão importante!

Christian Guerreiro

Professor por vocação, blogueiro e servidor público por opção, amante da tecnologia e viciado em informação.


Ensino a distância em Tecnologia da Informação: Virtualização com VMware, Big Data com Hadoop, Certificação ITIL 2011 Foundations e muito mais.


Suporte o Tecnologia que Interessa!

Você acha que as informações compartilhadas aqui são úteis?
Então me ajude a produzir ainda mais e melhores conteúdos!


É muito fácil. Basta divulgar nossos treinamentos pra alguém que conheça!


E se for de Salvador, podemos estruturar um curso presencial para sua empresa!

Eu vou ficar muito grato (e quem fizer os curso também :)!