Big Data & Ciência de Dados – Transformando Dados em Receita

/, Big Data Analytics, Ciência de Dados, Cientista de Dados, noticias-tecnologia/Big Data & Ciência de Dados – Transformando Dados em Receita

Big Data & Ciência de Dados – Transformando Dados em Receita

Congresso de TI da Unifacs: Ciência de Dados - Transformando Dados em Receita

Na última quinta-feira (20/09), tive a oportunidade de apresentar uma palestra no Congresso de TI da Unifacs com o título de “Ciência de Dados: Transformando Dados em Receita”, que abordou os seguintes tópicos:

  • Por que as empresas precisam de dados?
  • Quais empresas estão colocando isso em prática?
  • Como as empresas coletam dados?
  • Quais os riscos?
  • Cultura orientada a Dados (Data-Driven)
  • Qual o perfil profissional para atuar com dados?

Abaixo você tem um resumo de cada um dos pontos.

Por que as empresas precisam de dados?

Você já se perguntou porque as empresas precisam de dados?

Imagine a sua rotina e dos seus colegas de trabalho.

Consegue identificar como os dados são usados no dia a dia?

Dados são importantes por vários motivos.

Dados ajudam a identificar tendências, permitem analisar desempenho, identificar problemas e decisões.

Em suma, dados permitem que possamos entender pessoas, empresas, tudo enfim.

A partir desse entendimento, podemos construir conhecimento, de forma a tomar decisões mais embasadas, mais assertivas.

Portanto, dados ajudam a tomar melhores decisões.

É por isso que as empresas precisam tanto de dados, e há quem diga que dados são o novo petróleo (há também quem duvide!).

Quais empresas estão colocando isso em prática?

Há inúmeras empresas aproveitando a oportunidade de analisar a quantidade cada vez maior de dados disponíveis pela web, muitas vezes gratuitamente, para transformar seus negócios, criando produtos diferenciados como alguns que cito a seguir.

  • A HiQ percebeu que há mais informações sobre os funcionários das empresas fora da empresa do que dentro, e se especializou em capturar estas informações e fornecer às organizações a capacidade de analisá-las e tomar melhores decisões sobre os funcionários.
  • A Splunk se tornou referência em análise de dados ao se posicionar com sua plataforma de inteligência operacional, inicialmente a partir da análise de logs, depois através da análise de dados quaisquer, gerados por máquinas, que sejam relevantes para o negócio.
  • A Duetto é uma empresa que oferece soluções para criar experiências personalizadas para clientes de hotéis, a partir da análise detalhada de dados como o perfil de consumo, permitindo, por exemplo, dar um maior desconto a um hóspede que costuma consumir bastante no bar do hotel.

Como as empresas coletam dados?

Há basicamente três maneiras de coletar dados:

  1. Perguntar às pessoas o que se deseja saber
  2. Rastrear suas atividades e assim perceber seus comportamentos
  3. Combinar e criar com base em dados existentes e outros disponíveis na web ou mesmo fornecidos por empresas especializadas

Quais os riscos?

Nem tudo são flores nesse novo mundo que se apresenta, abundante em dados sobre tudo e sobre todos, cujas implicações são bastante significativas quando se trata de segurança da informação e privacidade.

Hoje há empresas especializadas em organizar dados sobre pessoas e construir verdadeiros dossiês individuais para fornecê-los a empresas interessadas.

Relaciono a seguir dois exemplos impressionantes:

  • Especula-se que a ACXIOM possua dados sobre mais de 200 milhões de residentes nos EUA, sendo que as informações contemplariam a incrível quantidade de 1500 características sobre cada indivíduo. Se eu passasse um mês refletindo sobre isso, não seria capaz de listar 1500 características minhas.
  • A Paramount Direct Marketing oferece listas especializadas de informações sobre pessoas interessadas em determinados tipos de produtos. Observei uma página listando informações sobre pessoas interessadas em seguros diversos, e havia desde listas de pessoas buscando seguro de carro até pessoas buscando “ansiosamente” um plano de saúde ou seguro de vida.

Fica claro porque o debate em torno da privacidade das pessoas é cada vez mais importante, já que muitas dessas informações comercializadas por empresas especializadas podem ter sido coletadas sem o consentimento da pessoa diretamente afetada pela disponibilidade dessa informação. Isso porque, cada vez mais, há uma tendência de vincular as informações a indivíduos específicos, visando aumentar a chance de alcançar o resultado desejado (geralmente vender!).

Desse debate começaram a surgir os primeiros resultados importantes, com destaque para a chamada “Lei de Proteção de Dados”, que no Brasil foi aprovada pela Câmara e Senado neste ano de 2018, devendo ser sancionada e entrar em vigor no próximo ano.

Alguns dados importantes sobre a nova legislação:

  • Empresas que tenham como atividade centrada no tratamento sistemático de dados pessoais sejam obrigadas a ter um Encarregado pelo Tratamento de Dados Pessoais – Data Protection Officer (DPO).
  • Dados pessoais (informação relacionada à pessoa natural identificada ou identificável, como nome, idade, estado civil, documentos) só podem ser coletados mediante o consentimento do usuário e com a devida explicação sobre a finalidade de solicitar aquele dado.
  • Classifica determinados dados como sensíveis, que seriam aqueles que, por sua natureza, devem ter uma proteção mais rigorosa, a exemplo de informações a respeito da origem do usuário (origem racial ou étnica), de crenças (convicções religiosas, as opiniões políticas, a filiação a sindicatos ou a organizações de caráter religioso, filosófico ou político), corporais (referentes à saúde, dados genéticos e dados biométrico) e sexuais (vida sexual).

Cultura orientada a Dados (Data-Driven)

Apesar dos riscos envolvidos, a tendência de aumento dos dados disponíveis para análise é irreversível, e tem seu lado positivo.

Imagine uma pessoa com uma doença grave.

Quanto mais dados sobre ela o médico tiver, melhor será o diagnóstico e mais personalizado o tratamento, não é verdade?

Isso cria o dilema entre privacidade e utilidade dos dados, e faz com que, de um lado, pessoas se cerquem de mecanismos para evitar que seus dados sejam coletados, no outro extremo temos pessoas que não se importam nem um pouco em expor suas informações (até publicamente) pois dão mais peso aos aspectos positivos dessa maior exposição.

Diante disso, é inevitável que as empresas se vejam obrigadas a criar uma cultura orientada a dados, onde as pessoas são instigadas a perceber as oportunidades e benefícios de adotar uma abordagem para tomada de decisão baseada em análise de dados, sejam dados históricos, atuais, internos ou externos.

Há vários desafios a serem enfrentados no caminho para criar uma cultura orientada a dados, dentre os quais listo alguns:

  • O volume de dados que será necessário analisar
  • A variedade de formatos destes dados (a maior parte dos dados não está estruturada)
  • A velocidade com que estes dados são gerados (pode ser necessário analisar em tempo real)

Para que se possa criar uma cultura orientada a dados também é necessário desenvolver a habilidade de análise de dados e incorporá-la ao dia a dia da organização, e isso exige profissionais especializados.

Qual o perfil profissional para atuar com dados?

O principal profissional envolvido na análise de dados é o Cientista de Dados, como você já deve ter imaginado.

Este profissional deve ter tantos conhecimentos que às vezes é mais fácil e efetivo compor uma equipe que se complemente ao invés de buscar o “unicórnio”.

Para mais detalhes, confira nosso guia para a carreira de Cientista de Dados.

Conclusão

Foi muito gratificante ver a sala cheia na palestra, demonstrando o aumento do interesse sobre este tema que abordamos já há vários anos aqui no blog.

Finalmente o mercado baiano percebe a necessidade de profissionais capacitados em análise de dados para ajudar as empresas a obterem melhores resultados, especialmente em tempos em que é necessário criatividade para driblar a crise.

Sigo aqui compartilhando informações para ajudar você a obter conhecimentos que façam diferença na sua carreira.

Espero que este resumo tenha sido útil, e caso tenha dúvidas, deixe seus comentários abaixo que ficarem muito feliz em respondê-los!

About the Author:

Deixe uma resposta